Casos de coronavírus no condomínio: o que fazer?

A curva de contaminação por SARS-CoV-2, o novo coronavírus, ainda não chegou ao seu pico. Com esse aumento, é muito provável que, em algum momento, um condômino teste positivo para Covid-19. Nesse momento, administradora e síndicos devem estar em sincronia para saber como proceder com os casos de coronavírus no condomínio.

A transmissão comunitária já está acontecendo há algum tempo nos grandes centros urbanos. Por isso, é essencial manter ou planejar-se para lidar com essa situação.

O distanciamento social tem contribuído para limitar o crescimento da curva, que poderiam ser muito mais altos. Ainda assim, os casos crescem a cada dia, sendo necessário tomar todos os cuidados de prevenção incentivados pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde.

Prevenção do coronavírus no condomínio

O condomínio precisa, ativamente, tomar providências relacionadas à prevenção da Covid-19, como:

  1. Espalhar cartazes nas áreas comuns com as informações e cuidados sobre a doença;
  2. Proibir o acesso às áreas comuns para evitar a aglomeração;
  3. Disponibilizar álcool em gel 70% nas dependências do condomínio.

Além disso, o ideal é reforçar a higienização dos locais onde todos têm acesso:

  • Elevadores;
  • Corrimão da escada;
  • Portões de entrada e saída,
  • Quaisquer outros lugares que não for possível limitar a circulação de pessoas.

Além disso, todos os funcionários do condomínio também precisam estar equipados com máscaras, luvas e álcool em gel ou líquido 70%.

Lidando com casos de coronavírus no condomínio

Mesmo tomando todos os cuidados, ainda assim é possível que surja algum caso de coronavírus no condomínio. Neste caso, o ideal é que o morador informe o síndico sobre a suspeita ou confirmação da doença, para que o gestor possa agir.

Em conjunto, síndico e administradora devem se planejar para notificar os moradores sobre a circulação do Covid-19 no condomínio. Nessa comunicação é importante fazer com que o foco da mensagem seja nos cuidados que os demais condôminos devem tomar. Ou seja, evitar discursos que exponham a vítima da contaminação, que pode sofrer represálias dos demais.

Lembrete: O síndico deve resguardar o direito ao sigilo do morador que disse estar infectado. A informação de que o vírus está circulando no condomínio deve ser divulgada, mas não o nome do indivíduo.

Qual é a sua opinião sobre esta matéria? Comente...

Compartilhecom outros síndicos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Síndico bom é síndico informado!

Cadastre-se para receber todas as matérias e atualizações do site, em primeira mão. É GRÁTIS
Suas informações são sigilosas, sem propagandas ou SPAM.

    Portal independente administrado por 3 LADOS Serviços em Marketing Digital – CNPJ 18.761.034/0001-64

    Todos os direitos reservados. Marca registrada. Versão 4.0